Palestra: Como estaremos em 2050?

01

 

Palestrei na abertura do Festival ABCR e convidei as mais de 500 pessoas a refletir sobre sua atuação social. A provocação era mais ou menos essa: Como estaremos em 2050? O que estaremos fazendo?

Sugeri algumas hipóteses. Uma delas é a que alguns de nós estarão em casa, descansando de um árduo trabalho, porque a missão da sua organização havia se encerrado. Há estudos que dizem que até 2050 teremos a cura do câncer. Então que alegria é imaginar todos os captadores de recursos das ONGs que lidam com o tema basicamente… desempregados! Que excelente perspectiva!

Seguindo na provocação: Você concorda comigo que vivemos em um setor realmente fantástico? Nosso objetivo é nossa extinção. Enquanto empresas querem mais e mais lucro, governos querem mais e mais poder e impostos, nós, a sociedade civil, basicamente queremos que um dia não precisemos fazer o que fazemos.

Quem lida com a pobreza, o que acontecerá quando – dizem – boa parte do mundo viverá com uma renda básica?

E as organizações que trabalham no contra-turno escolar? Todas extintas, porque estará implementado o período integral para todos os alunos.

Mesmo aquelas ONGs mais de defesa de direitos, imagina que muitos desses direitos serão políticas públicas implementadas?

Eu já havia escrito sobre 2027 em um artigo mais festivo. E confesso que esse tema, o futuro, tem me atraido cada vez mais.

O fato é que 2050 tem surgido pra mim com uma frequencia grande, em artigos, estudos e levantamentos variados. E decidi montar uma pequena categorização dos futuros possíveis para as ONGs atuais. Cheguei a 4 tipos, sendo que uma é um não-tipo. Portanto basicamente vejo que existirão 3 e somente 3 tipos de atuação.

Preparado para esse futuro? Veja as possibilidades profissionais possíveis:

ONGs que fecharam as portas porque cumpriram sua missão – Aquelas que alegremente farão ume enorme festa quando a última criança com câncer for curada, o último pobre foi encaminhado, o último aluno foi matriculado em turno integral.

Para essas ONGs o foco da captação hoje deveria ser: Todos juntos até até que possamos vencer o Problema X. Essa é a forma mais convincente de atrair apoiadores hoje, até que não precisemos mais de recursos, porque o problema acabou.

ONGs que se transformam em prestadoras de serviços públicos – Existe uma nova linha surgindo no horizonte, os chamados negócios sociais, os investimentos de impacto e um conjunto amplo de variações, alguns inclusive chamando essa frete de setor 2 e meio, no sentido de dizer que não é exatamente uma ONG nem exatamente uma empresa, e sim algo no meio disso.

Mas o que vale a pena destacar é que em ambos casos – empresas e ONGs, existe uma sociedade civil querendo ser atendida. E em boa parte dos casos isso já acontece hoje em dia, é só ver hospitais, museus e tantos outros sistemas, no Brasil denominados de OSs, organizações sociais.

No resto do mundo isso é amplamente utilizado para milhares de casos. ONGs ou empresas, contratadas pelos governos para prestarem serviços. Muitas vezes o cidadão nem sabe que aquele atendimento é feito por uma organização que não é pública. Ela é privada, mas prestando um serviço público. Isso vai de pedágios a escolas, de presídios a creches, de parques a museus.

Muitas ONGs hoje em dia buscam recursos variados mas estão muito mais habituadas a receber recursos de um ou mais convênios estatais. Ou seja, já são uma organização que presta serviço, mas não considera isso como um serviço. Em 2050 basicamente tudo isso se chamará negócio social. Ou simplesmente empresas que atendem o público em geral, financiados por um contrato de prestação de serviços pago pelo governo.

O que os captadores podem fazer hoje em dia nessas organizações? Ajudá-las a serem cada vez mais eficientes nos serviços prestados, pois o que vem pela frente é uma concorrência pela qualidade. Sai o assistencialismo, entra o atendimento digno, como um serviço prestado por uma organização e financiado pelo estado.

No estado de São Paulo é só observar como funcionam as OSs da saúde e da cultura. Na Europa isso acontece em quase todos os serviços, boa parte das escolas e inclusive em temas ligados a inovação. O mesmo se dará para todos os demais casos de prestação de serviços públicos, em todo o mundo, até 2050.

ONGs que focarão em causas – Tirando os problemas resolvidos e aqueles casos que o processo se transforma numa prestação de serviço público por um ente privado (seja ONG ou empresa), o que resta? O bom e velho ideal que nos move, a mim e a você. O que nos fez desistir de um trabalho em um banco ou num governo pra nos dedicarmos à causa que nos move.

Não pense que com esse futuro que expus acima não sobra espaço para as ONGs. Ao contrário, ficará mais evidente e focado o trabalho das ONGs relacionadas às causas. E seu mecanismo de financiamento será um só: doações. É o nosso espaço, captador e captadora! É onde nadaremos de braçada, procurando doadores interessados em apoiar nossa causa, porque, dentro do seu cesto de investimentos, uma parte está relacionada a doar.

Em 2050 qualquer pessoa no mundo dedicará uma parte do seu recurso, até aqueles que terão uma renda básica, para doações. Porque o prazer em fazer isso é superior ao gasto em si. O custo benefício é enorme. As ONGs focadas em causas, de LGBT a qualidade na educação, de associação de handball a coletivo dos indígenas hackers, da Associação dos Moradores da Vila Ré ao Grupo de circo de Tuiutaba.

Essas ONGs estarão conectadas entre si por todo o mundo, farão a diferença de forma exponencial, pois deixarão de atuar somente olhando pros seus umbigos. Será o pense globalmente e aja localmente, aplicado, na prática.

Falei que são 4 tipos e que uma é um não-tipo. Porque essa não-tipo é aquela que vai simplesmente deixar de existir daqui até 2050. Não porque a missão acabou, mas por incompetência mesmo. Não conseguiu nem seguir sua missão até o final, nem se transformou num negócio social prestando serviços públicos e nem se dedicou a encontrar aliados para defenderem sua causa junto com ela. Esse tipo é provavelmente um conjunto muito grande de ONGs que vão morrer daqui até 2050. E eu não tenho pena delas.

Não tenho pena. Porque as causas que representam são fundamentais, mas os profissionais que fazem sua gestão reclamam de tudo, do país, da crise, do mundo, das empresas, dos governos. Reclamam até das pessoas que não doam. Mas o fato é que esses profissionais não estão fazendo as coisas certas. Ponto. Não estão dedicados em encontrar a cura do cancer ou ter um hospital de qualidade superior ou até de defender pesquisas sobre o cancer através de recursos de doadores variados.

Basicamente estão fazendo um trabalho mal feito em relação à sua sobrevivência. E sei que neste momento vários devem estar me lendo e reclamando. Pode ser que a carapuça tenha servido. Que seja.

Eu queria falar de 2050. São 3 os tipos de ONGs que sobreviverão. Dediquem-se a ser um desses tipos, o resto é história. :)

Fonte: captamos.org.br/

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

INSCREVA-SE